Blog

Egito, dicas e roteiros

  • Compartilhe
  • Postado em 18/09/2018
  • Por Marketing TGK
  • Visto 3283 vezes
Egito, dicas e roteiros

Lembra aquelas aulas de História Mundial no colégio? Lembra dos estudos em casa para prova, das palestras e debates, dos filmes de Hollywood onde retratavam um mundo antigo?

Consegue imaginar uma imersão a um lugar com tudo isso? Pois bem, estamos falando do Egito – a terra dos faraós.

O lugar onde parte dos primeiros vestígios da ocupação humana na Terra foram encontrados e histórias que, até hoje, intrigam arqueólogos, historiadores, cientistas e personalidades, além de instigar e causar curiosidade as pessoas ao redor do mundo todo. A construção da civilização egípcia e tudo que retrata esse mundo cheio de mistérios, a mumificação dos faraós, as famosas pirâmides, o Rio Nilo, a arquitetura, os deuses, arte, cultura, gastronomia, ciência e história da antiguidade, tudo ao dispor dos seus olhos e ao alcance das suas mãos. Uma viagem única a esse país místico, com uma história que começa há 3150 anos antes de Cristo e vai te surpreender a cada minuto.

Prepare-se para vislumbrar e viver grandes momentos num lugar inesquecível!

 

Egito, dicas e roteiros

 

Visite os nossos roteiros em: https://www.tgkturismo.com.br/pesquisa/egito 

 

Geografia:

A República Árabe do Egito, nome oficial do país, fica no nordeste da África e ocupa uma área de 1.001.450 km², sendo o 29 maior país do mundo – um pouco maior que o estado do Mato Grosso.

O país faz fronteira com Israel, Líbia e Sudão, além de ser banhado pelo Mar Vermelho e Mar Mediterrâneo. Tem um número estimado de 97 milhões de pessoas, sendo mais de 19 milhões apenas na cidade do Cairo – capital do Egito. É o país mais populoso do Oriente Médio e também da África.

Localizado no Deserto da Síria, que faz parte o Deserto do Saara, o mais quente do mundo, cruza o país o Rio Nilo – considerado o rio mais extenso da Terra, onde 90% a população egípcia e os centros urbanos se concentram, pois fora dessa área o clima é muito seco pela sua localização - sendo apenas 5,5% de todo território.

Também faz parte do Egito a península do Sinai, que liga o país ao continente asiático.

História:

O Egito tem uma rica e antiga história, começando por volta de 3.150 a.c. e dividida em 3 partes: Antigo Império, Médio Império e Novo Império.

São do Antigo Império as famosas pirâmides, como a Grande Pirâmide – a mais antiga das Sete Maravilhas do Mundo Antigo e a única que permanece quase intacta até os dias de hoje, considerada por milhares de anos a obra mais alta do mundo, perdendo para a Catedral de Lincoln em 1300 d.c. Uma curiosidade: hoje, a mais alta estrutura construída pelo homem é o Burj Khalifa, em Dubai, Emirados Árabes, com 160 andares em 828 metros de altura.

Construídas por escravos como túmulo dos faraós, seus corpos eram enterrados e ali permaneciam até que revivessem, pois com a ideia de retornar à vida, eram embalsamados e preservados, justificando assim a mumificação dos corpos. Junto deles erram enterrados joias, objetos valiosos e, segundo alguns pesquisadores, as mulheres dos faraós eram juntamente enterradas para garantir que estariam ao lado deles quando revivessem.

Todo mistério que ronda até hoje sobre as pirâmides do Egito é algo fascinante!

Um dos maiores destaques do Egito foi o faraó Ramsés II, que reinou o país de 1279 a.c. a 1213 a.c aproximadamente, quando morreu com mais de 90 anos de idade. Foi o mais prestigiado de toda história egípcia - houveram 11 Ramsés, mas só ele foi chamado de Ramsés, o Grande.

No seu reinado aconteceram diversas expedições militares com o intuído de explorar e dominar a região, além de grandes batalhas, trazendo ao país os anos mais prósperos no aspecto cultural, administrativo e econômico.

Nefertari, a mais amada esposa dentre as 100 que teve em sua vida, esteve ao lado do faraó até seu 24º ano de reinado e lhe deu 6 filhos, sendo um deles o primeiro filho de Ramsés – Amenófis. Dentre tantas mulheres, o faraó teve entre elas sua irmã mais nova, Henutmiré, e também 3 filhas, Bentanat e Nebet-taui e Meritamon.

Algo bastante curioso dos egípcios antigos era a zoolatria, os animais eram vistos como sagrados e com isso também eram mumificados e enterrados em cemitérios especiais. O politeísmo, adoração em vários deuses, e o antropozoomorfismo, seres cujo o corpo é parte humano e parte animal, eram crenças egípcias vindas desde o começo da civilização do país, mostrando até hoje traços distintos na arte, religião, costumes e até no idioma.

A história do Egito é algo tão interessante, que já foi retratada em dezenas de filmes, documentários e sempre fez parte na educação e no aprendizado em escolas pelo Brasil e mundo afora. “Indiana Jones”, “A Múmia”, “Deuses do Egito”, “Cleópatra” e tantos outros, foram sucesso de bilheteria, pois o fascínio pela história antiga e todos os acontecimentos importantes para a civilização que aconteceram no país, justificam muita coisa da humanidade.

 

Egito | Turismo e Dicas Egito | Turismo e Dicas
Templo de Luxor Rio Nilo

 

Informações úteis:

Clima – o clima no Egito costuma ser quente e seco pela sua localização, maior parte do país está no deserto. O inverno, que vai de novembro a março, ameniza de forma considerável as temperaturas, ficando em torno de 10 a 18 graus. Dependendo da localidade, o calor chega a 41 graus no verão, por isso é sempre recomendável se manter hidratado e protegido.

A área ao redor de Alexandria é vista como a mais chuvosa do país, mas mesmo assim recebe apenas 200mm de chuva no ano todo.

O fenômeno climático chamado “El Khamassin”, o vento ardente que sopra de repente e difícil de ser identificado anteriormente, chega a 150 quilômetros de velocidade, atrapalhando até a aviação e a navegação. Isso acontece na primavera - março, abril e maio.

Idioma – a língua oficial do Egito é o árabe, mas não precisa se preocupar com isso, pois aproximadamente 15% da receita no país está no turismo, fazendo com que muita gente fale inglês. É também comum você encontrar pessoas falando francês, espanhol e até “arranhando” português.

Segurança – A taxa de criminalidade é muito baixa no país, trazendo confiança e segurança aos turistas. Lá existem rigorosas medidas de controle, fazendo com que hotéis e locais turísticos de grande movimentação estejam sempre muito bem policiados, mas é bom lembrar que precaução não faz mal a ninguém. Ficar de olho em seus pertences, independente do país que esteja, nunca é demais, além estar acompanhado de um guia de turismo e seguir as orientações.

Compras – Como a maioria dos países árabes, pechinchar na hora das compras é praticamente um ritual, os descontos podem chegar a mais de 50% do valor do produto.

É comum em muitos países do mundo, vários produtos são “Made in China”, então se você pretende comprar um material legítimo, verifique sempre as etiquetas e o local de fabricação. Os famosos lençóis de fios egípcios, feitos de um algodão produzido no país - mais resistente e macio, é uma das lembranças favoritas dos turistas e por serem fabricados no Egito, o valor que se consegue por esse produto é muito menor que no Brasil, mas mesmo assim não espere algo barato. Joias em ouro e prata são também lembranças muito desejadas, pois são trabalhadas manualmente, além de lindíssimas! Vale lembrar que os preços diferem muito de uma loja a outra, de uma tenda a outra, de feira em feira, então pesquisar um melhor preço e barganhar sempre é o caminho.

Souvenirs de tudo que é tipo de artesanato e artigos para decoração como louças, vasos, quadros em papiro, esculturas e luminárias estão espalhados pelos quatro cantos. Difícil escolher o mais bonito para levar pra casa!

Os vendedores têm o costume de ir atrás quando você se mostra interessado por algo, então não se assuste se olhar para trás depois de alguns quarteirões e ainda estiver sendo perseguido por algum.

 

Visite os nossos roteiros em: https://www.tgkturismo.com.br/pesquisa/egito 

 

Curiosidades:

- Os egípcios eram supersticiosos e acreditavam que os sonhos tinham algum significado, como por exemplo, se alguém sonhasse com a queda dos dentes, isso significava que algum membro da família morreria.

- Na mumificação do corpo, as vísceras eram retiradas e guardadas em jarros, uma separada da outra. Após isso, o corpo era colocado em um local com água e sal para desidratar durante 70 dias e, só assim, era enfaixado e colocado no sarcófago junto com joias, amuletos para sorte e pertences.

- O pão e a cerveja eram utilizados como pagamento de salários no Egito Antigo. Um dia de trabalho valia três pães e dois copos de cerveja.

- Os gatos eram animais sagrados para os egípcios e quando algum morria, o dono do bichinho raspava as sobrancelhas em luto. Era bem comum os gatos serem embalsamados e enterrados em cemitérios especiais para eles.

- Exportar e contrabandear gatos podia levar a pena de morte para quem o fizesse.

- Na civilização egípcia, as mulheres tinham os mesmos diretos dos homens, podiam casar com quem quisessem e se divorciar.

- É costume ver homens andando de mãos dadas pelas ruas, mas é proibido beijo entre casais em público.

- O incesto era muito comum, um exemplo disso é que faraó Tutancâmon era filho de sua irmã com o faraó Akhenaton.

- Os egípcios não usavam roupa até a adolescência por causa do calor excessivo.

 

Gastronomia:

Existem vários pratos típicos do Egito, não só aquela ideia de que nos países árabes se come hommus, esfiha, kibe e afins. Ela é muito rica e peculiar.

Um dos pratos mais importantes é Koshary, que para eles é o que a feijoada para nós - uma mistura de macarrão, arroz, lentilha, grão de bico, cebola e condimentos. Não é o prato mais bonito de se ver, mas acredite é delicioso! O Marshi, o famoso charuto, feito com folha de repolho, folha de uva, abobrinha, berinjela, pimentão e temperos, está em quase todas as mesas e é servido em praticamente todos os restaurantes.

Existe também uma sopa consumida desde os tempos dos faraós, a Molokheya, um caldo um pouco pegajoso, mas muito saboroso, preparado a partir das folhas de juta - uma planta com fibras muito poderosas, inclusive usada na produção têxtil.

Em momentos e datas especiais, encontrado em qualquer bom restaurante de comida típica e a qualquer época do ano, é servido o Fattah, um pão torrado com molho de tomate, algumas vezes molho branco, coberto por arroz e carne cozida. Não chega a ser algo exótico ou muito diferente, mas é digno de se experimentar. Por falar em exótico, o prato mais caro e nobre para os egípcios é o pombo recheado com arroz e assado. Muito diferente e não tão acessível ao paladar dos brasileiros, mas caso queira algo bem típico, essa é a dica.

Nas barracas e food trucks são servidos pratos mais simples e baratos, como o Foul, pasta de feijão com alho servido no pão árabe; ou o Falafel, bolinho de vegetais fritos com bastante pimenta; e também os famosos kebabs.

Egito | Turismo e Dicas Egito | Turismo e Dicas
Koshary Templo de Philae

 

Costumes:

Como em todos os países que visitamos, saber dos costumes locais, crenças e até leis é muito importante. Precaver e respeitar faz de qualquer viagem algo mais agradável.

Países muçulmanos tem muitos diferenciais do nosso, não que tenha que seguir à risca, mas um exemplo muito importante é o quesito roupas. As mulheres no Oriente Médio costumam ser mais conservadoras e com isso seria mais correto a brasileira ter um pouco de cuidado com a roupa quando está nas ruas. Tentar ser mais discreta e evitar excessos é de bom grado para eles.

O Egito é um país de maioria muçulmana, por volta de 85% da população, e na época do Ramadã - o nono mês do calendário islâmico - no horário do jejum, que vai do nascer ao pôr do sol, existe uma disciplina espiritual, orações e tradições por todos os lugares. Evitar comer, beber e festar em respeito é o ideal. É algo deles, seguido por eles e devemos respeitar a partir da hora que estamos lá.

Passeios:

Cairo – A capital do país é uma metrópole incrível e abriga mais de 19 milhões de pessoas - considerada a maior cidade da África e também do mundo árabe, está as margens do Rio Nilo.

A qualquer lugar que você anda, a cidade “cheira” história. Filmes, livros, debates e muita aula, quem nunca assistiu e estudou coisas sobre o Egito e sua capital? Um mergulho de cultura, entretenimento, religião e muitas atrações para descobrir. Uma dessas atrações é o Museu Egípcio do Cairo, considerado o mais importante museu do país, guarda uma coleção com mais de 120 mil antiguidades egípcias, em especial o tesouro do faraó Tutancâmon. A visita é algo transformador!

O principal ponto que leva os turistas a Cairo, na verdade está do lado de fora da cidade, são as Pirâmides de Gizé, em especial a Grande Pirâmide. Com 139 metros de altura, a pirâmide ocupa um espaço de 52 mil metros quadrados, construída com cerca de 2,3milhões de blocos de pedra – cada bloco pesava de 2 a 30 toneladas, e é a única das Sete Maravilhas do Mundo Antigo que ainda existe. Toda a história e mistério quanto a sua construção, como possivelmente os escravos faziam na época ou até que “alienígenas” a construíram, fascina os olhos e também a curiosidade.

A famosa Grande Esfinge está localizada ao lado das pirâmides. Sua imagem, corpo de leão e cabeça humana, representa Quéfren – faraó da quarta dinastia, que reino o país de 2558 a 2532 a.c, e responsável pela construção da Pirâmide de Quéfen, da segunda maior das Pirâmides de Gizé e do único modelo de templo que resta do Antigo Egito.

Na cidade ainda tem o Bazar Khan el Khalili, imenso mercado a céu aberto, onde se encontra de tudo desde joias, artesanato local, roupas, comidas e muito mais. Uma caminhada pela cidadela, uma fortificação medieval; pelas mesquitas e também a Torre do Cairo – com 187 metros de altura e vista de 360 graus da cidade, estão entre os passeios favoritos dos turistas. Claro, não esquecendo os excelentes restaurantes, bares e a noitada incrível da cidade.

Aswan – Localizada no sul do Egito e banhada pelo Rio Nilo, guarda o mais feminino dos templos egípcios, o Templo de Philae - dedicado inteiramente a Deusa Ísis, deusa da fertilidade e sexualidade, e frequentado pela Rainha Cleópatra.

Em Aswan você encontra monumentos históricos como as ruínas dos Templos de Khnum e Templo de Satet, o obelisco inacabado, a Capela de Osíris e, também muito visitado, a Represa Alta de Aswan - uma barragem construída no Rio Nilo a partir de 1899 para evitar inundações, como as que aconteceram na região e colocaram em perigo construções importantes da história do Antigo Egito, como o complexo arqueológico de Abu Simbel, além de armazenar água para época de seca e servir para gerar energia elétrica. Muitos locais arqueológicos foram trocados de lugar por conta das enchentes, isso num custo maior a 40 milhões de dólares.

Luxor – Uma das mais incríveis cidades e o local que abriga alguns dos sítios arqueológicos mais importantes, Luxor já foi a capital do país no Império Médio, época de maior prosperidade do Egito, onde construíram os grandes templos e mausoléus dos faraós. É conhecida como "o maior museu ao ar livre do mundo".

Difícil enumerar ou resumir os acontecimentos, pois ali grandes descobertas foram feitas, essas que até hoje se discutem em salas de aulas, debates, palestras e em tudo que engloba esse mundo da história antiga.

Do Templo de Karnak, por muito tempo o maior de todos os templos do mundo, restaram apenas ruínas, mas as 134 colunas com flor de papiro mostram a grandiosidade do templo e a imponência do Salão Hipostilo – construído entre 1290 e 1224 a.c. Esse lugar era na área leste da cidade, onde também as pessoas moravam. No mesmo local fica o Templo de Luxor, separado pelo Templo de Karnak por uma antiga avenida de 2,7 quilômetros com esfinges por todo percurso.

Na área oeste ficavam os mortos, explicação para qual existem tantas tumbas na região, a mais importante delas fica no Vale dos Reis. Encontrada em 1922, a tumba de Tutancâmon se tornou para os historiadores uma das mais extraordinárias descobertas arqueológicas do Antigo Egito. O faraó se tornou rei aos 9 anos de idade e permaneceu no reinado durante 10 anos, 1332 e 1323 a.c., quando morreu sem deixar herdeiros. A tumba foi encontrada quase intacta e continha peças de ouro, armas e até textos sagrados sobre o Egito de 3.400 anos atrás.

A cidade ainda oferece uma infinidade de atrações como o Templo de Hatshepsut, uma das mulheres mais importantes do Antigo Egito, construído entre os anos 1473 a 1458 a.c. com 3 andares.

Monte Sinai – Situado na Península do Sinai é considerado sagrado para o islã, judaísmo e cristianismo. Segundo a tradição judaica e também a Bíblia, foi o local onde Moisés recebeu as Tábuas da Lei – os Dez Mandamentos escritos por Deus.

O pico do monte fica a 2285 metros de altitude e lá está a Capela da Santíssima Trindade, já na parte inferior do monte fica o Mosteiro de Santa Catarina, entre elas existe uma escadaria nas rochas chamada “O Caminho de Moisés” com 4.000 degraus. Para ir da base ao pico demora 3 horas.

O Monte Sinai atrai um número incalculável de peregrinos com o passar dos séculos.

Sharm el Sheikh – Famoso balneário, na costa do Mar Vermelho - sul da Península do Sinai, é um dos lugares mais lindos do Egito. A cidade abriga resorts de luxo, todos a beira mar, com mordomia digna de rei e lazer para todos os gostos. Cassinos, hotéis, restaurantes, bares, lojas, boates... tudo isso dentro da pequena cidade com apenas 73.000 habitantes.

Muito procurada por mergulhadores de todo mundo, levados pela vida marinha e pelas águas transparentes de tons azuis, esse paraíso na terra é um dos destinos favoritos dos turistas europeus no verão, onde as praias ficam lotadas de lanchas, gente bonita e sofisticação.

Alexandria - Fundada por Alexandre, o Grande, no século IV a.c., é a segunda cidade mais populosa do Egito, cerca de 5 milhões de pessoas, e já foi a capital do país durante mil anos.

Muito conhecida pelo Farol de Alexandria, umas das Sete Maravilhas do Mundo Antigo; pelas catacumbas de Kom el Shoqafa - um dos maiores sítios funerários dos romanos egípcios e uma das Sete Maravilhas do Mundo Medieval; e também pela Biblioteca de Alexandria, uma das mais célebres e importantes bibliotecas do mundo, a cidade é um prato cheio para quem busca explorar castelos, mesquitas, museus e monumentos históricos.

Um outro local muito procurado pelos turistas, além dos 3 acima, é o Templo de Serapeu, onde foi construída a Pilar de Pompeia - uma coluna toda de granito com quase 27 metros de altura e pesando 285 toneladas, em homenagem ao Imperador Diocleciano, em 297 d.c. O Forte de Qaitbay também não pode faltar! Construído em 1480 está no mesmo local onde no passado estava o Farol de Alexandria.

Muito difícil citar todos os monumentos e locais históricos em Alexandria, mas garanto que entretenimento não falta!

Cruzeiros no Rio Nilo – Uma boa pedida para quem deseja unir as paisagens exuberantes do Egito a parte histórica. Algo diferente de ficar em hotéis, o cruzeiro pelo Nilo oferece uma estrutura incrível, onde o viajante consegue visitar lugares muitas vezes de difícil acesso ou até mesmo os tradicionais sítios arqueológicos. São muitas as rotas disponíveis, mas basicamente passam por Luxor, Aswan, Kom Ombo e Edfu – cidades muito conhecidas no país.

O privilégio de percorrer o mais famoso rio do mundo e admirar a paisagem encantadora do Egito é uma experiência única na vida.

Existem diversos tipos de cruzeiros e de todos os preços, dos que abrigam os turistas aventureiros aos que levam luxo e glamour.

Abu Simbel – O complexo arqueológico de Abu Simbel, construído em 1284 a.C. pelo faraó Ramsés II, fica perto da fronteira com o Sudão.

Grandioso e enigmático, o templo maior - um dos mais conservados do Egito, foi esculpido em um único pedaço de rocha, numa fachada de 33 metros de altura por 38 de largura e com quatro estátuas de 20 metros de altura representando a figura do faraó.

O templo menor foi construído em homenagem a deusa Hathor - a mais amada esposa dentre as 100 que possuía, Nefertari. Ele tem uma fachada com 6 estátuas, cada uma de 10 metros.

Os templos foram cobertos de areia e esquecidos até 1813, quando descobertos em uma expedição do pesquisador suíço Johann Ludwig Burckhardt. Anos depois, entre 1963 a 1968, os templos foram removidos de lugar por conta de uma barragem, que seria construída próxima dali e inundaria boa parte da região. A remoção, feita pedra por pedra, custou 40 milhões de dólares financiados por mais de 50 países, que se solidarizaram e preocuparam em manter “viva” essa grande obra arqueológica. Hoje os templos estão 61 metros acima do original e a 200 metros do Lago Nasser.

Em agradecimento, o governo egípcio ofereceu algumas relíquias da antiguidade há alguns museus internacionais. Museu do Louvre, França, está a cabeça colossal de Aquenáton; 2 pedras erguidas e papiros estão no Museu de Berlim, na Alemanha, e o sarcófago em madeira em Havana, Cuba, no Museu Nacional de Belas Artes. Além disso foram reconstruídos o Santuário de Pedesi e Pithor de Dandur em Nova York, Estados Unidos, e também o Templo de Debod, em Madrid, Espanha.

Visite os nossos roteiros em: https://www.tgkturismo.com.br/pesquisa/egito 

Olá, deixe seu comentário para Egito, dicas e roteiros

Enviando Comentário Fechar :/

Gostou? Vamos planejar sua viagem?

Solicite orçamento personalizado